Finanças Pessoais: Os Princípios Básicos

Uma boa gestão das nossas finanças pessoais é algo que nos deve preocupar a todos e há algumas técnicas que nos ajudam a ter uma saúde financeira mais equilibrada.
finanças pessoais

Quer queiramos, quer não, o dinheiro assume uma relevância enorme no nosso dia-a-dia. Tanto nos permite ter experiências incríveis e criar memórias inesquecíveis, como pode ser uma verdadeira fonte de preocupações, stress e ansiedade.

Não importa qual é o nosso salário, se temos o nosso negócio ou se trabalhamos por conta de outrem. A verdade, é que uma  boa gestão das nossas finanças pessoais é algo que nos deve preocupar a todos e há algumas técnicas que nos podem ajudar a ter uma saúde financeira mais equilibrada.

Faça um mapa de Entradas e Saídas

Pode parecer algo extremamente complexo, mas não. O Mapa de Entradas e Saídas é apenas um registo das suas receitas e despesas mensais. Pode utilizar uma aplicação no telemóvel, um Excel ou um quadro desenhado numa folha em branco. O objetivo é que perceba concretamente no que é que gasta o seu dinheiro. 

Pergunte a si mesmo onde pode começar a poupar.

Para facilitar, recorra aos seus extratos bancários dos últimos meses. Se puder, faça esse registo em relação aos 12 meses anteriores. Utilize várias categorias para classificar os movimentos (Ex. Supermercado, Farmácia, Combustível, etc.). Repita o processo nos próximos meses.

Orçamente

Orçamentar é diferente de registar as entradas e saídas. Orçamentar significa fixar limites. Defina limites mínimos e/ou máximos para as suas despesas Essenciais, para as despesas com Lazer e Bem-Estar e limites para a sua Poupança. Faça-o de foma realista e considerando a sua situação em particular. Um mero registo daquilo que ganha e daquilo que gasta, em nada vai contribuir para a saúde das suas finanças pessoais. Precisa de definir ( e cumprir ) esses limites.

 

Crie hábitos de Poupança

Mais uma vez, não importa quanto ganha no final do mês – defina aquilo que pode poupar e faça-o de forma regular e consistente. Retire o dinheiro para a poupança no dia em que recebe o ordenado, não espere pelo fim do mês para ver o que sobra.

 Poupe primeiro, Gaste Depois.

Constitua o seu Fundo de Emergência

Este fundo deve ser o seu primeiro patamar de poupança. É um valor a que só deve recorrer para fazer face a situações inesperadas. Deve separar este dinheiro da sua conta-corrente do dia a dia e aplicá-lo numa conta a prazo ou num certificado de aforro, por exemplo. Neste fundo deve ter depositado o valor correspondente a 6 ou 12 meses das suas despesas essenciais.

Saiba distinguir Emergências de Despesas não Regulares

Uma emergência é uma situação não previsível. Por exemplo, o pagamento do IMI, do IUC e o seguro anual da casa, não são emergências. Pelo contrário, são despesas previsíveis, apesar de não serem regulares. Não deve utilizar o seu fundo de emergência para fazer face a estes encargos.

Dica: No início/fim de cada ano, faça uma análise de todas as despesas não regulares com que deve contar no ano seguinte (como as que referimos acima e outras, como: presentes de natal, aniversário ou casamento, férias ou escapadinhas que esteja a planear fazer). Faça o somatório e divida pelo número de meses do ano. O resultado desse cálculo é o valor que deve colocar de parte todos os meses. Nos meses em que se verificarem essas despesas não regulares, faça pequenos resgates – dessa forma não estará a prejudicar o seu orçamento mensal.

Evite dívidas

Seja ponderado(a) no que respeita ao recurso ao crédito, sobretudo, o crédito ao consumo. Se já tem vários créditos contratados, pondere criar um plano de amortização antecipada – pode começar pela dívida de menor valor ou pela dívida com a taxa de juro mais elevada.

 

Invista no seu Conhecimento

Estude sobre Finanças Pessoais e coloque os ensinamentos em prática. Não precisa de gastar dinheiro para o fazer!

Um curso sobre finanças pessoais é, sem dúvida, um excelente investimento. Mas pode sempre optar por visitar a biblioteca mais próxima da sua zona de residência e procurar livros sobre o tema. Ouça Podcast’s. Frequente cursos e seminários … As possibilidades são infinitas.

Invista em Ativos Financeiros

Referimo-nos a Ações, ETF’s, Obrigações, Fundos de Investimento, Imobiliário, etc. – ou seja, a um conjunto de instrumentos financeiros com potencial de rentabilidade (com  diferentes níveis de risco).

Mas, para dar esse passo, é obrigatório que invista, em primeiro lugar, na sua literacia financeira. 

Um maior nível de conhecimento vai permitir-lhe tomar decisões mais conscientes e mais adequadas ao seu perfil de risco.

Diversifique

A diversificação na alocação de ativos financeiros é uma das regras de ouro para os investidores. Certamente já ouviu falar na expressão: ”Não colocar todos os ovos na mesma cesta”. O que esta expressão significa é que a diversificação da sua carteira de investimentos é a melhor forma de minimizar o risco. 

 

Viva dentro das suas Possibilidades

Ajuste o seu estilo de vida às suas receitas mensais e faça um controlo rigoroso de todos os seus gastos. Isso não significa que deva privar-se de todos consumos que lhe proporcionem bem-estar (pelo contrário). Mas deve limitá-los ao seu nível de rendimento e aos objetivos que definiu no seu orçamento. Podemos ir mais longe e considerar praticar um estilo de vida abaixo das nossas possibilidades, de forma a potenciar a nossa capacidade de poupança e de investimento.

Estes são apenas alguns tópicos que podem ajudá-lo(a) a tornar as suas finanças pessoais mais equilibradas e, em consequência, alcançar os seus objetivos financeiros a curto, médio e longo prazo. São sugestões genéricas que pode ter por base para adaptar à sua realidade pessoal e familiar.

 

Picture of Por Catarina S. Gonçalves, Gestora de Crédito

Por Catarina S. Gonçalves, Gestora de Crédito

Coloque as suas Dúvidas
Partilhar:

Fale com um especialista

Picture of Catarina Gonçalves

Catarina Gonçalves

Especialista em Crédito Habitação

Outros artigos

intermediário de crédito

Acesso à Atividade de Intermediário de Crédito (Vinculado)

”Estes profissionais atuam como mediadores das relações que se estabelecem entre particulares e instituições de crédito. Por se tratar de uma atividade com elevado grau de complexidade e de enorme responsabilidade, o exercício da atividade de Intermediário de Crédito só é permitida aos profissionais que demonstrem o cumprimento de várias exigências legais.”

crédito hipotecário

Crédito Hipotecário: O que é e para que serve?

”As operações de crédito hipotecário tem um enorme potencial e podem servir as mais diversas finalidades. (…) Pode sempre contar com prazos mais alargados e taxas de juro mais baixas, face ao crédito ao consumo.”

férias

Contrato de Trabalho a tempo Parcial: Regime de férias

” … o direito a férias é um direito irrenunciável, e como tal, não pode ser substituído por qualquer compensação económica ou outra, salvo nos casos previstos na lei (…) Assim, se possui um contrato a tempo parcial deverá ter atenção ao presente artigo.”

hipoteca

Hipoteca sobre o meu imóvel. O que significa?

”É inegável que os imóveis, apesar de sujeitos a uma certa volatilidade no que respeita ao preço, estão associados a uma tendencial valorização pelo mero decurso do tempo. Essa circunstância faz das garantias hipotecárias ou imobiliárias as mais sólidas e aliciantes.”

intermediário

Contratar um Intermediário de Crédito? Gratuitamente?

”Pode acreditar que, para além dos próprios bancos, não há entidade nenhuma que conheça tão bem a oferta das várias instituições bancárias, como os intermediários de crédito parceiros. As relações de parceria que os Intermediários estabelecem com as várias instituições de crédito, permite-lhes ter acesso privilegiado a informação atualizada em relação aos detalhes específicos de cada produto de crédito.”

despedimento

Despedimento por Justa Causa: por facto imputável ao trabalhador

”O despedimento de um trabalhador é sempre uma decisão difícil. Seja por resolução do próprio ou por iniciativa do empregador.
Não basta que o trabalhador não cumpra as ordens emanadas pelo empregador, ou que tenha infringido alguma norma laboral.
Tem sim, que existir razões estipuladas no Código do Trabalho, que justifiquem a dispensa de um colaborador. ”

incumprimento

As 4 Consequências do Incumprimento do Contrato Promessa

O incumprimento do contrato-promessa de compra e venda pode ocorrer por diversas razões, como por exemplo, a perda do interesse no negócio por um ou por ambos os contraentes, a venda do imóvel a uma terceira pessoa, a reprovação do financiamento bancário, eventuais obras que demoraram mais tempo do que o previsto, entre outros fatores.

WOOK - www.wook.pt

Precisa de ajuda?

Preencha os seus dados e consulte o seu e-mail.

0%
Nome (primeiro e último) *
Telemóvel *
Email *
10%
Em que podemos ajudar?
Algum dos créditos é um crédito habitação?
Algum dos créditos é um crédito habitação?
30%
Quem vai pedir o empréstimo? *
90%
É efetivo?
Tem créditos?
Indique o valor das suas prestações mensais:
Crédito 1:
Crédito 2:
Crédito 3:
Crédito 4:
Tem incumprimentos no Banco de Portugal?
1º Proponente
É efetivo?
Tem outros créditos?
Indique o valor das Suas prestações mensais:
Crédito 1:
Crédito 2:
Crédito 3:
Crédito 4:
Tem incumprimentos no Banco de Portugal?
2º Proponente
É efetivo?
Tem outros créditos?
Indique o valor das Suas prestações mensais:
Crédito 1:
Crédito 2:
Crédito 3:
Crédito 4:
Tem incumprimentos no Banco de Portugal?

Precisa de ajuda?

Preencha os seus dados e receba um contacto por parte da nossa equipa:

Nome *
Telemóvel *
Email *

Subscreva a nossa Newsletter

Preencha os seus dados abaixo:

Nome (primeiro e último) *
Telemóvel *
Email *
Olá! Podemos ajudar?